Glossário

From Brisk
Jump to: navigation, search

Principal | Vídeos | Conceitos em GP | Glossário | Roadmap | FAQ | AP*



Contents

Ação preventiva

Orientação documentada para a realização de uma atividade que pode reduzir a probabilidade de conseqüências negativas associadas a riscos do projeto*.

Aceitação dos riscos

Uma técnica de planejamento de respostas a riscos* que indica que a equipe do projeto decidiu não alterar o plano de gerenciamento do projeto para lidar com um risco ou que não consegue identificar uma outra estratégia de resposta adequada.

Aceitar

O ato de receber ou reconhecer formalmente alguma coisa e considerá-la verdadeira, em boas condições, adequada ou completa.

Ações corretivas

Orientação documentada para que o trabalho do projeto seja executado de modo que seu desempenho futuro esperado fique de acordo com o plano de gerenciamento do projeto.

Administração de contrato

O processo de gerenciamento do contrato e da relação entre o comprador e o fornecedor, análise e documentação do desempenho atual ou passado de um fornecedor a fim de estabelecer ações corretivas necessárias e fornecer uma base para futuras relações com o fornecedor, gerenciamento de mudanças relacionadas ao contrato e, quando adequado, gerenciamento da relação contratual com o comprador externo do projeto.

Agrupamento

Uma estratégia de colocação organizacional em que os membros da equipe do projeto são fisicamente colocados próximos uns dos outros para melhorar a comunicação, as relações de trabalho e a produtividade.

Ameaça

Uma condição ou situação desfavorável para o projeto, um conjunto negativo de circunstâncias, um conjunto negativo de eventos, um risco que terá impacto negativo em um objetivo do projeto, se ocorrer, ou uma possibilidade de mudanças negativas. Compare com oportunidade.

Análise da árvore de decisão

A árvore de decisão é um diagrama que descreve uma decisão que está sendo considerada e as implicações da escolha de uma ou outra das alternativas disponíveis. É usada quando alguns futuros cenários ou resultados de ações são incertos. Ela incorpora as probabilidades e os custos ou premiações de cada caminho lógico de eventos e decisões futuras e usa a análise do valor monetário esperado para ajudar a organização a identificar os valores relativos das ações alternativas. Veja também análise do valor monetário esperado.

Análise da causa-raiz

Uma técnica analítica usada para determinar a razão subjacente básica que causa uma variação, um defeito ou um risco. Uma causa-raiz pode provocar mais de uma variação, defeito ou risco.

Análise da variação

Um método para divisão da variação total no conjunto de variáveis de escopo, custo e cronograma em variações componentes específicas associadas a fatores definidos que afetam essas variáveis.

Análise das premissas

Uma técnica que explora a exatidão das premissas e identifica os riscos do projeto causados pelo caráter inexato, inconsistente ou incompleto das premissas.

Análise das reservas

Uma técnica analítica para determinar as características e relações essenciais de componentes no plano de gerenciamento do projeto a fim de estabelecer a reserva para a duração do cronograma, orçamento, custo estimado ou fundos de um projeto.

Análise das tendências

Uma técnica analítica que usa modelos matemáticos para prever resultados futuros com base em resultados históricos. É um método para determinação da variação de um parâmetro de orçamento, custo, cronograma ou escopo em relação a uma linha de base utilizando dados de períodos anteriores de relatórios de progresso e projetando qual seria a variação desse parâmetro em relação à linha de base em algum ponto futuro no projeto se não houvesse mudança na execução do projeto.

Análise de modos e efeitos de falha (FMEA)

Um procedimento analítico no qual cada modo de falha potencial em cada componente de um produto é analisado para determinar seu efeito na confiabilidade desse componente e, por ele mesmo ou em combinação com outros possíveis modos de falha, na confiabilidade do produto ou sistema e na função necessária do componente, ou o exame de um produto (no sistema e/ou em níveis inferiores) para verificar todas as maneiras possíveis de ocorrência de falha. Para cada falha potencial, é feita uma estimativa do seu efeito no sistema total e do seu impacto. Além disso, é realizada uma análise da ação planejada para minimizar a probabilidade de falha e seus efeitos.

Análise de rede do cronograma

A técnica de identificação das datas de início mais cedo e mais tarde* e também das datas de término mais cedo e mais tarde* das partes incompletas das atividades do cronograma do projeto. Veja também método do caminho crítico, método da cadeia crítica, análise do tipo "e se?" e nivelamento de recursos.

Análise de sensibilidade

Uma técnica de análise quantitativa de riscos e modelagem usada para ajudar a determinar quais riscos apresentam maior impacto potencial no projeto. Ela examina a extensão com que a incerteza de cada elemento do projeto afeta o objetivo que está sendo examinado quando todos os outros elementos incertos são mantidos em seus valores de linha de base. A representação típica dos resultados é na forma de um diagrama de tornado.

Análise do valor monetário esperado (VME)

Uma técnica estatística que calcula o resultado médio quando o futuro inclui cenários que podem ou não acontecer. Uma utilização comum desta técnica está na análise da árvore de decisão. É recomendável usar modelagem e simulação para a análise de risco de custo e cronograma, pois são mais poderosas e menos sujeitas a aplicações inadequadas que a análise do valor monetário esperado.

Análise de SWOT

Esta técnica de coleta de informações examina o projeto do ponto de vista de seus pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças para aumentar a extensão dos riscos considerados pelo gerenciamento de riscos.

Análise qualitativa de riscos

O processo de priorização de riscos para análise ou ação adicional subseqüente através de avaliação e combinação de sua probabilidade de ocorrência e impacto.

Análise quantitativa de riscos

O processo de analisar numericamente o efeito dos riscos identificados nos objetivos gerais do projeto.

Antecipação

Uma modificação de um relacionamento lógico que permite uma aceleração da atividade sucessora. Por exemplo, em uma dependência do tipo término para início com antecipação de 10 dias, a atividade sucessora pode ser iniciada 10 dias antes que a atividade predecessora tenha terminado. Veja também atraso. Uma antecipação negativa equivale a um atraso positivo.

Aprovar

O ato de formalmente confirmar, autorizar, ratificar ou concordar com alguma coisa.

Área de aplicação

Uma categoria de projetos que possuem componentes comuns significativos, mas que não são necessários ou não estão presentes em todos os projetos. As áreas de aplicação são geralmente definidas em termos de produto (ou seja, por tecnologias ou métodos de produção semelhantes), tipo de cliente (ou seja, interno versus externo, governamental versus comercial) ou setor (ou seja, utilitários, automotivo, aeroespacial, tecnologias da informação). As áreas de aplicação podem se sobrepor.

Área de conhecimento em gerenciamento de projetos

Uma área identificada de gerenciamento de projetos definida por seus requisitos de conhecimentos e descrita em termos dos processos que a compõem, suas práticas, entradas, saídas, ferramentas e técnicas.

Atividade

Um componente de trabalho realizado durante o andamento de um projeto.

Atividade crítica

Qualquer atividade do cronograma em um caminho crítico de um cronograma do projeto. Mais comumente determinada através do método do caminho crítico. Embora algumas atividades sejam “críticas”, no sentido literal, sem estar no caminho crítico, esse significado é raramente usado no contexto de projetos.

Atividade de resumo

Um grupo de atividades do cronograma agregadas relacionadas em algum nível de resumo e exibidas/relatadas como uma única atividade no nível de resumo. Veja também subprojeto e sub-rede.

Atividade do cronograma

Um componente distinto agendado do trabalho realizado durante o andamento de um projeto. Uma atividade do cronograma tem normalmente uma estimativa de duração, de custos e de recursos necessários. As atividades do cronograma estão ligadas a outras atividades do cronograma ou marcos do cronograma através de relacionamentos lógicos e são decompostas a partir de pacotes de trabalho.

Atividade fantasma

Uma atividade do cronograma com duração nula usada para demonstrar um relacionamento lógico no método do diagrama de setas. As atividades fantasmas são utilizadas quando não é possível representar os relacionamentos lógicos de forma completa ou correta com as setas de atividades do cronograma. Em geral, as atividades fantasmas são graficamente ilustradas como uma linha pontilhada com uma seta na ponta.

Atividade predecessora

A atividade do cronograma que determina quando a atividade sucessora lógica pode começar ou terminar.

Atividade quase crítica

Uma atividade do cronograma que possui folga total baixa. O conceito de quase crítica é igualmente aplicável a uma atividade do cronograma ou a um caminho de rede do cronograma. O limite abaixo do qual a folga total é considerada quase crítica depende de opinião especializada e varia de projeto para projeto.

Atividade sucessora

A atividade do cronograma que vem após uma atividade predecessora, conforme determinado pelo relacionamento lógico entre elas.

Ativos de processos organizacionais

Qualquer um ou todos os ativos relacionados a processos, de quaisquer ou todas as organizações envolvidas no projeto que são ou podem ser usados para influenciar o sucesso do projeto. Esses ativos de processos incluem planos formais ou informais, políticas, procedimentos e diretrizes. Os ativos do processo também incluem as bases de conhecimento das organizações, como lições aprendidas e informações históricas.

Atraso

Uma modificação de um relacionamento lógico que gera um atraso na atividade sucessora. Por exemplo, em uma dependência do tipo término para início com atraso de 10 dias, a atividade sucessora só pode ser iniciada 10 dias após a atividade predecessora ter terminado.

Atributos da atividade

Vários atributos associados a cada atividade do cronograma que pode ser incluída na lista de atividades. Os atributos da atividade incluem códigos de atividades, atividades predecessoras, atividades sucessoras, relacionamentos lógicos, antecipações e atrasos, recursos necessários, datas impostas, restrições e premissas.

Aumento do escopo

Adição de recursos e funcionalidade (escopo do projeto) sem consideração dos efeitos sobre tempo, custos e recursos, ou sem a aprovação do cliente.

Autoridade

O direito de aplicar recursos do projeto*, usar fundos, tomar decisões ou fornecer aprovações.

Autorização do trabalho

Uma permissão e uma orientação, normalmente escrita, para iniciar o trabalho em uma atividade do cronograma, pacote de trabalho ou conta de controle específica. É um método de aprovação do trabalho do projeto para garantir que o trabalho será realizado pela organização identificada, no momento certo e na seqüência adequada.

Banco de dados de riscos

Um repositório que permite coleta, manutenção e análise dos dados coletados e usados nos processos de gerenciamento de riscos.

Base de conhecimento de lições aprendidas

Um depósito de informações históricas e lições aprendidas sobre os resultados de decisões de seleção de projetos anteriores e do desempenho de projetos anteriores.

Bens

Commodities, produtos, mercadorias.

Brainstorming

Uma técnica geral de coleta de dados e criatividade que pode ser usada para identificar riscos, idéias ou soluções para problemas usando um grupo de membros da equipe ou especialistas no assunto. Normalmente, uma sessão de brainstorming é estruturada de forma que as idéias de cada participante são registradas para análise posterior.

Calendário de projeto

Um calendário de dias ou turnos de trabalho, que estabelecem as datas nas quais as atividades do cronograma são trabalhadas, e de dias não trabalhados, que determinam as datas nas quais as atividades do cronograma estão ociosas. Normalmente define feriados, finais de semana e turnos.

Calendário de recurso

Um calendário de dias trabalhados e não trabalhados que determina as datas nas quais cada recurso específico está ocioso ou pode estar ativo. Normalmente define feriados específicos do recurso e períodos de disponibilidade do recurso.

Caminho crítico

Geralmente, mas não sempre, a seqüência de atividades do cronograma que determina a duração do projeto. Normalmente, é o caminho mais longo através do projeto. No entanto, um caminho crítico pode terminar, por exemplo, em um marco do cronograma que está no meio do cronograma do projeto e que possui uma restrição de cronograma de data imposta do tipo "prazo máximo para término".

Caminho de ida

O cálculo das datas de início mais cedo e de término mais cedo para as partes incompletas de todas as atividades da rede. Veja também análise de rede do cronograma e caminho de volta.

Caminho de rede

Qualquer série contínua de atividades do cronograma conectadas a relacionamentos lógicos em um diagrama de rede do cronograma do projeto.

Caminho de volta

O cálculo das datas de término mais tarde e datas de início mais tarde para as partes incompletas de todas as atividades do cronograma. É determinado trabalhando-se em retrospectiva pela lógica de rede do cronograma a partir da data de conclusão do projeto. A data de conclusão pode ser calculada em um caminho de ida ou ser estabelecida pelo cliente ou patrocinador.

Categoria de risco

Um grupo de possíveis causas de riscos. As causas de riscos podem ser agrupadas em categorias como técnica, externa, organizacional, ambiental ou de gerenciamento de projetos. Uma categoria pode incluir subcategorias, como maturidade técnica, clima ou estimativa agressiva.

Causa comum

Uma fonte de variação inerente ao sistema e previsível. Em um gráfico de controle, aparece como parte de uma variação aleatória do processo (ou seja, uma variação de um processo que seria considerada normal ou não incomum) e é indicada por um padrão aleatório de pontos dentro dos limites de controle. Também chamada de causa aleatória. Compare com causa especial.

Causa especial

Uma fonte de variação que não é inerente ao sistema, não é previsível e é intermitente. Ela pode ser atribuída a um defeito no sistema. Em um gráfico de controle, é indicada pelos pontos além dos limites de controle ou pelos padrões não-aleatórios dentro dos limites de controle. Também chamada de causa atribuível. Compare com causa comum.

Ciclo de vida do produto

Um conjunto de fases do produto* que não se sobrepõem, geralmente em ordem seqüencial, cujos nomes e quantidades são determinados pelas necessidades de fabricação e controle da organização. A última fase do ciclo de vida de um produto geralmente é a deterioração e a morte do produto. Geralmente, o ciclo de vida do projeto faz parte de um ou mais ciclos de vida do produto.

Ciclo de vida do projeto

Um conjunto de fases do projeto, geralmente em ordem seqüencial, cujos nomes e quantidades são determinados pelas necessidades de controle da organização ou organizações envolvidas no projeto. Um ciclo de vida pode ser documentado com uma metodologia.

Cliente

A pessoa ou organização que utilizará o produto, serviço ou resultado do projeto.

Código da atividade

Um ou mais valores numéricos ou de texto que identificam as características do trabalho ou de alguma forma categorizam a atividade do cronograma que permitem a filtragem e a ordenação de atividades dentro dos relatórios.

Código de contas

Qualquer sistema de numeração utilizado para identificar de modo exclusivo cada componente da estrutura analítica do projeto. Compare com plano de contas.

Comitê de controle de mudanças (CCM)

Um grupo formalmente constituído de partes interessadas responsáveis pela revisão, avaliação, aprovação, atraso ou rejeição de mudanças feitas no projeto, com registro de todas as decisões e recomendações.

Compensação

Alguma coisa fornecida ou recebida, um pagamento ou recompensa, geralmente algo com valor monetário ou em espécie para produtos, serviços ou resultados fornecidos ou recebidos.

Componente

Uma parte constituinte, um elemento ou parte de um todo complexo.

Componente da estrutura analítica do projeto

Uma entrada na estrutura analítica do projeto que pode estar em qualquer nível.

Comprador

Aquele que adquire produtos, serviços ou resultados de uma organização.

Compressão

Um tipo específico de técnica de compressão do cronograma do projeto realizada através de ações tomadas para diminuir a duração total do cronograma do projeto* após a análise das diversas alternativas a fim de determinar como obter a máxima compressão da duração do cronograma pelo menor custo adicional. Abordagens típicas de compressão de um cronograma incluem a redução das durações das atividades do cronograma e o aumento da atribuição de recursos nas atividades do cronograma.

Compressão do cronograma

Redução da duração do cronograma do projeto sem reduzir o seu escopo.

Comunicação

Um processo através do qual as informações são trocadas entre as pessoas com o uso de um sistema comum de símbolos, sinais ou comportamentos.

Confiabilidade

A probabilidade de um produto realizar sua função pretendida sob condições específicas por um determinado período de tempo.

Conhecimento

Saber alguma coisa com a familiaridade obtida através de experiência, formação, observação ou investigação; significa entender um processo, uma prática ou uma técnica, ou como usar uma ferramenta.

Conjunto de conhecimentos em gerenciamento de projetos

Uma expressão abrangente que descreve a soma dos conhecimentos contidos na profissão de gerenciamento de projetos. Assim como em outras profissões como advocacia, medicina e contabilidade, o conjunto de conhecimentos pertence aos profissionais e acadêmicos que o aplicam e o desenvolvem. O conjunto de conhecimentos em gerenciamento de projetos completo inclui práticas tradicionais comprovadas amplamente aplicadas e práticas inovadoras que estão surgindo na profissão. O conjunto de conhecimentos inclui materiais publicados e não publicados. O PMBOK está em constante evolução.

Conta de controle (CC)

Ponto de controle gerencial onde se realiza a integração do escopo, do orçamento, do custo real e do cronograma e onde ocorrerá a medição de desempenho. As contas de controle são colocadas em pontos de gerenciamento selecionados (componentes específicos em níveis selecionados) da estrutura analítica do projeto. Cada conta de controle pode incluir um ou mais pacotes de trabalho, mas cada pacote de trabalho pode ser associado a apenas uma conta de controle. Cada conta de controle está associada a um componente organizacional específico e único no organograma (ORG). Anteriormente denominada Conta de custos.

Contratar ou mobilizar a equipe do projeto

O processo de obtenção dos recursos humanos necessários para terminar o projeto.

Contrato

Um contrato é um acordo que gera obrigações para as partes, e que obriga o fornecedor a oferecer o produto, serviço ou resultado especificado e o comprador a pagar por ele.

Contrato de custo mais remuneração de incentivo (CMRI)

Um tipo de contrato de custos reembolsáveis em que o comprador reembolsa o fornecedor pelos custos permitidos (definidos pelo contrato) ao fornecedor; o fornecedor terá direito ao seu lucro se atender aos critérios de desempenho definidos.

Contrato de custo mais remuneração fixa (CMRF)

Um tipo de contrato de custos reembolsáveis em que o comprador reembolsa o fornecedor pelos custos permitidos (definidos pelo contrato) ao fornecedor acrescidos de um valor fixo de lucro (remuneração).

Contrato de custos reembolsáveis

Um tipo de contrato que envolve o pagamento (reembolso) pelo comprador para o fornecedor pelos custos reais do fornecedor acrescidos de uma remuneração que normalmente representa o lucro do fornecedor. Os custos geralmente são classificados como custos diretos ou indiretos. Custos diretos são custos incorridos para o benefício exclusivo do projeto, como os salários da equipe que trabalha em tempo integral para o projeto. Custos indiretos, também chamados de “overhead”, custos gerais ou custos administrativos, são os custos alocados para o projeto pela organização executora como um custo de realização do negócio, como os salários dos gerentes indiretamente envolvidos no projeto e o custo dos serviços públicos de eletricidade do escritório. Geralmente, os custos indiretos são calculados como um percentual dos custos diretos. Os contratos de custos reembolsáveis freqüentemente incluem cláusulas de incentivo em que, se o fornecedor atingir ou superar os objetivos selecionados para o projeto, como metas do cronograma ou custo total, receberá do comprador um incentivo ou pagamento de bônus.

Contrato de preço fixo com remuneração de incentivo (PFRI)

Um tipo de contrato em que o comprador paga ao fornecedor um valor determinado (conforme definido pelo contrato) e pelo qual o fornecedor poderá ganhar um valor adicional se atender aos critérios de desempenho definidos.

Contrato de preço fixo garantido (PFG)

Um tipo de contrato de preço fixo em que o comprador paga ao fornecedor um valor determinado (conforme definido pelo contrato), independentemente dos custos do fornecedor.

Contrato de preço fixo ou preço global

Um tipo de contrato que envolve um preço total fixo para um produto bem definido. Os contratos de preço fixo podem também incluir incentivos para que determinados objetivos do projeto, como metas de cronograma, sejam atingidos ou superados. A forma mais simples de um contrato de preço fixo é um pedido de compra.

Contrato por tempo e material

Um tipo de contrato híbrido, contendo aspectos dos contratos de custos reembolsáveis e de preço fixo. Os contratos por tempo e material se assemelham aos acordos do tipo com custos reembolsáveis por serem modificáveis, já que o valor total do acordo não é definido no momento em que ele é firmado. Dessa forma, os contratos por tempo e material podem ter o seu valor aumentado como se fossem acordos de custos reembolsáveis. Por outro lado, os acordos por tempo e material podem também ser semelhantes a acordos de preço fixo. Por exemplo, os valores unitários são preestabelecidos pelo comprador e pelo fornecedor, quando ambas as partes concordam com os valores de serviços profissionais para a categoria de “engenheiros seniores”.

Controle

Comparação entre o desempenho real e o planejado, análise das variações, avaliação das tendências para efetuar melhorias no processo, avaliação das alternativas possíveis e recomendação das ações corretivas adequadas, conforme necessário.

Controle de custos

O processo de influenciar os fatores que criam as variações e controlar as mudanças no orçamento do projeto.

Controle de mudanças

Identificação, documentação, aprovação ou rejeição e controle de mudanças feitas nas linhas de base do projeto*.

Controle do cronograma

O processo de controle das mudanças feitas no cronograma do projeto.

Controle do escopo

O processo de controle das mudanças feitas no escopo do projeto.

Controle integrado de mudanças

O processo de revisão de todas as solicitações de mudança, aprovação de mudanças e controle de mudanças em entregas e ativos de processos organizacionais.

Convergência de caminhos

A união ou fusão de caminhos paralelos da rede do cronograma no mesmo nó em um diagrama de rede do cronograma do projeto. A convergência de caminhos se caracteriza por uma atividade do cronograma com mais de uma atividade predecessora.

Convite para licitação (CONV)

Geralmente, este termo equivale à solicitação de proposta. No entanto, em algumas áreas de aplicação, ele pode ter um significado mais restrito ou mais específico.

Criar EAP (Estrutura analítica do projeto)

O processo de subdivisão das principais entregas do projeto e do trabalho do projeto em componentes menores e mais facilmente gerenciáveis.

Critérios

Normas, regras ou testes em que uma opinião ou decisão pode se basear ou pelos quais um produto, serviço, resultado ou processo pode ser avaliado.

Critérios de aceitação

Os critérios, inclusive requisitos de desempenho e condições essenciais, que devem ser atendidos antes que as entregas do projeto sejam aceitas.

Cronograma alvo

Um cronograma adotado para fins de comparação durante a análise de rede do cronograma, que pode ser diferente do cronograma de base.

Cronograma de marcos

Um cronograma sumarizado que identifica os principais marcos do cronograma.

Cronograma do projeto

As datas planejadas para realizar as atividades do cronograma e para atingir os marcos do cronograma.

Cronograma limitado por recursos

Um cronograma de projeto no qual a atividade do cronograma e as datas de início e de término agendadas refletem a disponibilidade de recursos prevista. Um cronograma limitado por recursos não possui datas de início ou de término mais cedo ou mais tarde. A folga total do cronograma limitado por recursos é determinada pelo cálculo da diferença entre a data de término mais tarde do método do caminho crítico* e a data de término agendada limitada por recursos. Às vezes chamado de cronograma restrito por recursos.

Cronograma mestre

Um cronograma sumarizado do projeto que identifica as principais entregas e componentes da estrutura analítica do projeto e os principais marcos do cronograma. Veja também cronograma de marcos.

Curva S

Representação gráfica dos custos cumulativos, horas de mão-de-obra, percentual de trabalho ou outras quantidades, indicando sua evolução no tempo. O nome se origina do formato parecido com um S da curva (mais plana no início e no final e mais inclinada no centro) gerada para representar um projeto que começa lentamente, se agiliza e em seguida diminui o ritmo. É também uma expressão usada para a provável distribuição cumulativa que é resultado de uma simulação, uma ferramenta da análise quantitativa de riscos.

Custo

O valor monetário ou preço de uma atividade* ou componente do projeto que inclui o valor monetário dos recursos necessários para realizar e terminar a atividade ou o componente ou para produzir o componente. Um custo específico pode ser composto de uma combinação de componentes de custo, inclusive horas de mão-de-obra direta, outros custos diretos, horas de mão-de-obra indireta, outros custos indiretos e preço de aquisição. (No entanto, na metodologia de gerenciamento de valor agregado, em alguns casos, o termo custo pode representar apenas as horas de mão-de-obra sem conversão para valor monetário.) Veja também custo real e estimativa.

Custo da qualidade (CDQ)

Determinação dos custos incorridos para garantir a qualidade. Os custos de prevenção e de avaliação (custo da conformidade) incluem custos de planejamento da qualidade, controle da qualidade (CQ) e garantia da qualidade para assegurar a conformidade com os requisitos (ou seja, treinamento, sistemas de CQ, etc.). Os custos de falhas (custo da não-conformidade) incluem custos para retrabalhar produtos, componentes ou processos que não estão em conformidade, custos de trabalho referente a garantia, de desperdício e de perda de reputação.

Custo mais remuneração (CMR)

Um tipo de contrato de custos reembolsáveis em que o comprador reembolsa o fornecedor pelos custos permitidos ao fornecedor para a realização do trabalho contratado; o fornecedor também recebe uma remuneração calculada conforme combinado como percentual dos custos. A remuneração varia de acordo com o custo real.

Custo real (CR)

Os custos totais realmente incorridos e registrados na realização do trabalho executado durante um determinado período de tempo para uma atividade do cronograma ou um componente da estrutura analítica do projeto. O custo real às vezes pode representar somente as horas de mão-de-obra direta, somente os custos diretos ou todos os custos, inclusive custos indiretos. Também chamado de custo real do trabalho realizado (CRTR). Veja também gerenciamento de valor agregado e técnica do valor agregado.

Data

Um termo que representa o dia, o mês e o ano de um calendário e, em alguns casos, a hora do dia.

Data alvo para início (AI)

A data planejada (alvo) para o início do trabalho em uma atividade do cronograma.

Data alvo para término (AT)

Uma data imposta que restringe ou de outra forma modifica a análise de rede do cronograma.

Data alvo para término (AT)

A data planejada (alvo) para o término do trabalho em uma atividade do cronograma.

Data de base de início

A data de início de uma atividade do cronograma na linha de base do cronograma aprovada. Veja também data de início agendada.

Data de base de término

A data de término de uma atividade do cronograma na linha de base do cronograma aprovada.

Data de início

Um momento associado ao início de uma atividade do cronograma. Geralmente usada com uma das seguintes qualificações: real, planejada, estimada, agendada, mais cedo, mais tarde, alvo, linha de base ou atual.

Data de início agendada (IA)

O momento no qual um trabalho de determinada atividade do cronograma estava agendado para começar. A data de início agendada encontra-se normalmente dentro da faixa de datas delimitada pela data de início mais cedo e pela data de início mais tarde. Ela pode refletir o nivelamento de recursos escassos. Às vezes chamada de data de início planejada.

Data de início atual

A estimativa atual do momento em que uma atividade do cronograma será iniciada, onde a estimativa reflete um progresso de trabalho relatado.

Data de início mais cedo (IMC)

No método do caminho crítico, o momento mais cedo possível no qual as partes incompletas de uma atividade do cronograma (ou projeto) podem ser iniciadas, com base na lógica de rede do cronograma, na data dos dados e nas restrições do cronograma. As datas de início mais cedo podem mudar conforme o projeto se desenvolve e o plano de gerenciamento do projeto é alterado.

Data de início mais tarde (IMT)

No método do caminho crítico, o momento mais tarde possível no qual uma atividade do cronograma pode ser iniciada com base na lógica de rede do cronograma, na data de término do projeto e em quaisquer restrições atribuídas às atividades do cronograma sem violação de uma restrição do cronograma ou atraso na data de término do projeto. As datas de início mais tarde são determinadas durante o cálculo do caminho de volta da rede do cronograma do projeto.

Data de início real (IR)

O momento em que o trabalho realmente foi iniciado em uma atividade do cronograma.

Data de término

Um momento associado ao término de uma atividade do cronograma. Geralmente usada com uma das seguintes qualificações: real, planejada, estimada, agendada, mais cedo, mais tarde, alvo, linha de base ou atual.

Data de término agendada (TA)

O momento no qual um trabalho de determinada atividade do cronograma estava agendado para terminar. A data de término agendada encontra-se normalmente dentro da faixa de datas delimitada pela data de término mais cedo e pela data de término mais tarde. Ela pode refletir o nivelamento de recursos escassos. Às vezes chamada de data de término planejada.

Data de término atual

A estimativa atual do momento em que uma atividade do cronograma será terminada, onde a estimativa reflete um progresso de trabalho relatado.

Data de término mais cedo (TMC)

No método do caminho crítico, o momento mais cedo possível no qual as partes incompletas de uma atividade do cronograma (ou projeto) podem ser terminadas, com base na lógica de rede do cronograma, na data dos dados e nas restrições do cronograma. As datas de término mais cedo podem mudar conforme o projeto se desenvolve e o plano de gerenciamento do projeto é alterado.

Data de término mais tarde (TMT)

No método do caminho crítico, o momento mais tarde possível no qual uma atividade do cronograma pode ser terminada com base na lógica de rede do cronograma, na data de término do projeto e em quaisquer restrições atribuídas às atividades do cronograma sem violação de uma restrição do cronograma ou atraso na data de término do projeto. As datas de término mais tarde são determinadas durante o cálculo do caminho de volta da rede do cronograma do projeto.

Data de término real (TR)

O momento em que o trabalho realmente foi terminado em uma atividade do cronograma. (Observação: Em algumas áreas de aplicação, a atividade do cronograma é considerada “terminada” quando o trabalho está “substancialmente terminado”.)

Data dos dados (DD)

A data até a qual ou através da qual o sistema de distribuição de informações do projeto forneceu o andamento e as realizações reais. Em alguns sistemas de distribuição de informações, as informações de andamento para a data dos dados são incluídas no passado e, em alguns sistemas, no futuro. Também chamada de "até a presente data" ou "data atual".

Data imposta

Uma data fixa imposta em uma atividade do cronograma ou marco do cronograma, geralmente na forma de uma data do tipo “não começar antes de” e “não terminar após”.

Declaração do escopo do projeto

A descrição do escopo do projeto, que inclui as principais entregas, os objetivos, suposições e restrições do projeto e uma declaração do trabalho, que fornece uma base documentada para futuras decisões do projeto e para confirmar ou desenvolver um entendimento comum do escopo do projeto entre as partes interessadas. A definição do escopo do projeto – o que precisa ser realizado.

Declaração do trabalho (DT)

Uma descrição dos produtos, serviços ou resultados a serem fornecidos.

Declaração do trabalho (DT) do contrato

Uma descrição dos produtos, serviços ou resultados a serem fornecidos de acordo com o contrato.

Decomposição

Uma técnica de planejamento que subdivide o escopo do projeto e as entregas do projeto em componentes menores e mais facilmente gerenciáveis, até que o trabalho do projeto associado à realização do escopo do projeto e ao fornecimento das entregas seja definido em detalhes suficientes para dar suporte à execução, ao monitoramento e ao controle do trabalho.

Defeito

Uma imperfeição ou deficiência em um componente do projeto na qual esse componente não atende aos seus requisitos ou especificações e precisa ser reparado ou substituído.

Definição da atividade

O processo de identificação das atividades do cronograma específicas que precisam ser realizadas para produzir as várias entregas do projeto.

Definição do escopo

O processo de desenvolvimento de uma declaração do escopo detalhada do projeto como base para futuras decisões do projeto.

Descrição da atividade

Uma frase ou uma denominação curta para cada atividade do cronograma usada junto com um identificador da atividade para diferenciar essa atividade do cronograma do projeto de outras atividades do cronograma. Normalmente, a descrição da atividade explica o escopo do trabalho da atividade do cronograma.

Descrição de cargo

Uma explicação das funções e responsabilidades de um membro da equipe do projeto.

Descrição do escopo do produto

A descrição documentada do escopo do produto.

Desenvolver a equipe do projeto

O processo de melhoria de competências e interação de membros da equipe para aprimorar o desempenho do projeto.

Desenvolver o plano de gerenciamento do projeto

O processo de documentação das ações necessárias para definir, preparar, integrar e coordenar todos os planos auxiliares em um plano de gerenciamento do projeto.

Desenvolver o termo de abertura do projeto

O processo de desenvolvimento do termo de abertura do projeto que formalmente autoriza um projeto.

Desenvolvimento do cronograma

O processo de análise de seqüências de atividades do cronograma, durações de atividades do cronograma, recursos necessários e restrições do cronograma para criar o cronograma do projeto.

Diagrama de influência

Representação gráfica de situações que mostram influências causais, ordenação dos eventos por tempo e outras relações entre variáveis e resultados.

Diagrama de Pareto

Um histograma, organizado por freqüência de ocorrência, que mostra quantos resultados foram gerados para cada causa identificada.

Diagrama de rede do cronograma com escala de tempo

Qualquer diagrama de rede do cronograma do projeto desenhado de forma que o posicionamento e o comprimento da atividade do cronograma representem a sua duração. Trata-se basicamente de um gráfico de barras que inclui a lógica de rede do cronograma.

Diagrama de rede do cronograma do projeto

Qualquer demonstração esquemática dos relacionamentos lógicos entre as atividades do cronograma do projeto. Sempre desenhado da esquerda para a direita, para refletir a cronologia do trabalho do projeto.

Dicionário da estrutura analítica do projeto

Um documento que descreve cada componente da estrutura analítica do projeto (EAP). Para cada componente da EAP, o dicionário da EAP inclui uma breve definição do escopo ou declaração do trabalho, entrega(s) definida(s), uma lista de atividades associadas e uma lista de marcos. Outras informações podem incluir: organização responsável, datas de início e de conclusão, recursos necessários, uma estimativa de custos, número de cobrança, informações do contrato, requisitos de qualidade e referências técnicas para facilitar o desempenho do trabalho.

Disciplina

Um campo de trabalho que exige conhecimento específico e que possui um conjunto de regras que controlam a conduta do trabalho (por exemplo, engenharia mecânica, programação de computadores, estimativa de custos, etc.).

Distribuição das informações

O processo de colocar as informações necessárias à disposição das partes interessadas no projeto no momento oportuno.

Divergência de caminhos

A extensão ou geração de caminhos paralelos da rede do cronograma a partir do mesmo nó em um diagrama de rede do cronograma do projeto. A divergência de caminhos se caracteriza por uma atividade do cronograma com mais de uma atividade sucessora.

Documento

Um meio físico e as informações registradas nele que geralmente possui durabilidade e pode ser lido por uma pessoa ou uma máquina. Exemplos: planos de gerenciamento de projetos, especificações, procedimentos, estudos e manuais.

Documentos de aquisição

Os documentos utilizados nas atividades de licitação e proposta, que incluem Convite para licitação, Convite para negociações, Solicitação de informações, Solicitação de cotação, Solicitação de proposta do comprador e as respostas do fornecedor.

Duração (DU ou DUR)

Número total de períodos de trabalho (sem incluir feriados ou outros períodos de descanso) necessários para terminar uma atividade do cronograma ou um componente da estrutura analítica do projeto. Normalmente expressa em dias ou semanas de trabalho. Às vezes, é incorretamente equiparada ao tempo decorrido. Compare com esforço.

Duração da atividade

O tempo em unidades de calendário entre o início e o término de uma atividade do cronograma.

Duração original (DO)

A duração da atividade originalmente atribuída a uma atividade do cronograma e não atualizada conforme é relatado progresso sobre a atividade. Normalmente usada para comparação com a duração real e a duração restante quando é relatado progresso do cronograma.

Duração real

O tempo em unidades de calendário entre a data de início real da atividade do cronograma e a data dos dados do cronograma do projeto, se a atividade do cronograma estiver em andamento, ou a data de término real, se a atividade do cronograma estiver terminada.

Duração restante (DR)

O tempo em unidades de calendário entre a data dos dados do cronograma do projeto e a data de término de uma atividade do cronograma que possui uma data de início real. Isso representa o tempo necessário para terminar uma atividade do cronograma em que o trabalho está em andamento.

Elaboração de fluxogramas

A representação em formato de diagrama das entradas, ações do processo e saídas de um ou mais processos em um sistema.

Elaboração progressiva

Melhoria e detalhamento contínuos de um plano conforme informações mais detalhadas e específicas e estimativas mais exatas tornam-se disponíveis conforme o projeto se desenvolve e, portanto, produção de planos mais exatos e completos que resultam de sucessivas iterações do processo de planejamento.

Empresa

Uma companhia, unidade de negócios, firma, parceria, corporação ou agência governamental.

Encerramento do contrato

O processo de término e liquidação do contrato, inclusive a resolução de quaisquer itens em aberto e o encerramento de cada contrato.

Encerrar o projeto

O processo de finalização de todas as atividades entre todos os grupos de processos do projeto para encerrar formalmente o projeto ou a fase.

Engenharia de valor (EV)

Uma abordagem criativa usada para otimizar os custos do ciclo de vida do projeto, economizar tempo, aumentar os lucros, melhorar a qualidade, ampliar a participação no mercado, solucionar problemas e/ou utilizar recursos de forma mais eficiente.

Entradas

Qualquer item, interno ou externo ao projeto, que é exigido por um processo antes que esse processo continue. Pode ser uma saída de um processo predecessor.

Entrega

Qualquer produto, resultado ou capacidade para realizar um serviço exclusivos e verificáveis que devem ser produzidos para terminar um processo, uma fase ou um projeto. Muitas vezes utilizado mais especificamente com referência a uma entrega externa, que é uma entrega sujeita à aprovação do patrocinador ou do cliente do projeto.

Equipe de gerenciamento de projetos

Os membros da equipe do projeto que estão diretamente envolvidos nas atividades de gerenciamento de projetos. Em alguns projetos menores, a equipe de gerenciamento de projetos pode incluir praticamente todos os membros da equipe do projeto.

Equipe do projeto

Todos os membros da equipe do projeto, inclusive a equipe de gerenciamento de projetos, o gerente de projetos e, para alguns projetos, o patrocinador do projeto.

Equipe virtual

Um grupo de pessoas com um objetivo compartilhado que executam suas funções sem se encontrarem pessoalmente na maior parte do tempo. Diversas formas de tecnologia são freqüentemente usadas para facilitar a comunicação entre os membros da equipe. As equipes virtuais podem ser formadas por pessoas separadas por grandes distâncias.

Escopo

A soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto.

Escopo do produto

As características e funções que descrevem um produto, serviço ou resultado.

Escopo do projeto

O trabalho que deve ser realizado para entregar um produto, serviço ou resultado com as características e funções especificadas.

Escritório de programas

O gerenciamento centralizado de um programa ou programas específicos de modo que o benefício da empresa seja realizado através de compartilhamento de recursos, metodologias, ferramentas e técnicas, e o foco de gerenciamento de projetos de alto nível relacionado.

Escritório de projetos

Um corpo ou entidade organizacional à qual são atribuídas várias responsabilidades relacionadas ao gerenciamento centralizado e coordenado dos projetos sob seu domínio. As responsabilidades de um PMO podem variar desde o fornecimento de funções de suporte ao gerenciamento de projetos até o gerenciamento direto de um projeto.

Esforço

A quantidade de unidades de mão-de-obra necessárias para terminar uma atividade do cronograma ou um componente da estrutura analítica do projeto. Normalmente expresso como equipe-horas, equipe-dias ou equipe-semanas. Compare com duração.

Esforço distinto

Esforço de trabalho diretamente identificável para o término de componentes específicos da estrutura analítica do projeto e entregas e que pode ser diretamente planejado e medido. Compare com esforço distribuído.

Esforço distribuído (ED)

Esforço aplicado ao trabalho do projeto que não pode ser facilmente dividido em esforços distintos para esse trabalho, mas que está diretamente relacionado a esforços de trabalho distintos mensuráveis. Compare com esforço distinto.

Especificação

Um documento que especifica, de maneira completa, precisa e verificável, requisitos, projeto, comportamento ou outras características de um sistema, componente, produto, resultado ou serviço e, com freqüência, os procedimentos para determinar se essas cláusulas foram satisfeitas. Exemplos: especificação de requisitos, especificação de projeto, especificação de produto e especificação de testes.

Estimativa "bottom-up"

Um método para estimar um componente do trabalho. O trabalho é decomposto em partes mais detalhadas. É preparada uma estimativa do que é necessário para atender aos requisitos de cada uma das partes inferiores e mais detalhadas do trabalho e, em seguida, essas estimativas são agregadas em uma quantidade total para o componente do trabalho. A exatidão da estimativa "bottom-up" é determinada pelo tamanho e a complexidade do trabalho identificado nos níveis inferiores. Em geral, escopos de trabalho menores aumentam a exatidão das estimativas.

Estimativa

Uma avaliação quantitativa da quantidade ou resultado provável. Geralmente aplicada a custos, recursos, esforço e durações do projeto e é normalmente precedida de um modificador (ou seja, preliminar, conceitual, de viabilidade, de ordem de grandeza, definitiva). Deve sempre incluir uma indicação de exatidão (por exemplo, ± x%).

Estimativa análoga

Uma técnica de estimativa que usa os valores de parâmetros, como escopo, custo, orçamento e duração ou medidas de escala, como tamanho, peso e complexidade de uma atividade anterior semelhante como base para estimar o mesmo parâmetro ou medida para uma atividade futura. Ela é freqüentemente usada para estimar um parâmetro quando existe uma quantidade limitada de informações detalhadas sobre o projeto (por exemplo, nas fases iniciais). A estimativa análoga é uma forma de opinião especializada. A estimativa análoga é mais confiável quando as atividades anteriores são verdadeiramente, e não apenas aparentemente, semelhantes e os membros da equipe do projeto que preparam as estimativas possuem a especialização necessária.

Estimativa de custos

O processo de desenvolvimento de uma aproximação do custo dos recursos necessários para terminar as atividades do projeto*.

Estimativa de custos exeqüíveis

Uma estimativa do custo de um produto ou serviço utilizada para avaliar se o custo proposto por um possível fornecedor é razoável.

Estimativa de duração da atividade

O processo de estimativa do número de períodos de trabalho que serão necessários para terminar atividades do cronograma específicas.

Estimativa de recursos da atividade

O processo de estimativa de tipos e quantidades de recursos necessários para realizar cada atividade do cronograma.

Estimativa de três pontos

Uma técnica que usa três estimativas de custos ou duração para representar os cenários otimista, mais provável e pessimista. Esta técnica é aplicada para melhorar a exatidão das estimativas de custos ou duração quando não há certeza em relação à atividade subjacente ou ao componente de custo.

Estimativa no término (ENT)

O custo total previsto de uma atividade do cronograma, de um componente da estrutura analítica do projeto ou do projeto, quando o escopo definido do trabalho for terminado. ENT é igual ao custo real (CR) mais a estimativa para terminar (EPT) de todo o trabalho restante. ENT = CR mais EPT. A ENT pode ser calculada com base no desempenho até a data em questão ou estimada pela equipe do projeto com base em outros fatores, caso em que é freqüentemente chamada de última estimativa revisada.

Estimativa para terminar (EPT)

O custo previsto necessário para terminar todo o trabalho restante de uma atividade do cronograma, um componente da estrutura analítica do projeto ou o projeto. Veja também técnica do valor agregado e estimativa no término.

Estimativa paramétrica

Uma técnica de estimativa que utiliza uma relação estatística entre dados históricos e outras variáveis (por exemplo, metros quadrados em construção, linhas de código em desenvolvimento de software) para calcular uma estimativa para parâmetros da atividade, como escopo, custo, orçamento e duração. Esta técnica pode produzir níveis mais altos de exatidão dependendo da sofisticação e dos dados subjacentes incorporados ao modelo. Um exemplo do parâmetro de custo é multiplicar a quantidade planejada de trabalho a ser realizado pelo custo histórico por unidade para obter o custo estimado.

Estrutura analítica do projeto (EAP)

Uma decomposição hierárquica orientada à entrega do trabalho a ser executado pela equipe do projeto para atingir os objetivos do projeto e criar as entregas necessárias. Ela organiza e define o escopo total do projeto. Cada nível descendente representa uma definição cada vez mais detalhada do trabalho do projeto. A EAP é decomposta em pacotes de trabalho. A orientação da hierarquia para a entrega inclui entregas internas e externas. Veja também pacote de trabalho, conta de controle, estrutura analítica do projeto contratado e estrutura analítica do resumo do projeto.

| Mais em Wikipédia

Estrutura analítica do projeto contratado (EAPC)

Uma parte da estrutura analítica do projeto para o projeto desenvolvida e mantida por um fornecedor que assina contrato para fornecer um subprojeto ou um componente do projeto.

Estrutura analítica do resumo do projeto (EARP)

Uma estrutura analítica do projeto para o projeto que é desenvolvida somente até o nível de detalhe do subprojeto dentro de algumas ramificações da EAP, e onde os detalhes desses subprojetos são fornecidos para que sejam usados pelas estruturas analíticas do projeto contratado.

Estrutura analítica dos recursos (EAR)

Uma estrutura hierárquica de recursos por categoria de recursos e tipo de recursos usada em cronogramas de nivelamento de recursos e para desenvolver cronogramas limitados por recursos, e que pode ser usada para identificar e analisar designações de recursos humanos do projeto.

Estrutura analítica dos riscos (EAR)

Uma representação organizada hierarquicamente dos riscos identificados do projeto* ordenados por categoria e subcategoria de risco que identifica as diversas áreas e causas de riscos potenciais. A estrutura analítica dos riscos geralmente é adaptada para tipos específicos de projetos.

Evento

Algo que acontece, uma ocorrência, um resultado.

Executar

Orientar, gerenciar, realizar e executar o trabalho do projeto, fornecer as entregas e fornecer informações sobre o desempenho do trabalho.

Fase do projeto

Um conjunto de atividades do projeto* relacionadas de forma lógica que geralmente culminam com o término de uma entrega importante. Na maioria dos casos, as fases do projeto (também chamadas de fases) são terminadas seqüencialmente, mas podem se sobrepor em algumas situações do projeto. As fases podem ser subdivididas em subfases e depois em componentes; se o projeto ou parte do projeto estiverem divididos em fases, essa hierarquia fará parte da estrutura analítica do projeto. Uma fase do projeto é um componente do ciclo de vida do projeto. Uma fase do projeto não é um grupo de processos de gerenciamento de projetos*.

Fatores ambientais da empresa

Qualquer um ou todos os fatores ambientais externos e fatores ambientais organizacionais internos que cercam ou influenciam o sucesso do projeto. Esses fatores são de qualquer uma ou de todas as empresas envolvidas no projeto e incluem cultura e estrutura organizacional, infra-estrutura, recursos existentes, bancos de dados comerciais, condições de mercado e software de gerenciamento de projetos.

Ferramenta

Alguma coisa tangível, como um modelo ou um programa de software, usada na realização de uma atividade para produzir um produto ou resultado.

Folga

Também chamada de tempo de folga.

Folga livre (FL)

O tempo permitido para atraso de uma atividade do cronograma sem atrasar o início mais cedo de qualquer uma das atividades do cronograma imediatamente subseqüentes.

Folga total (FT)

O atraso total permitido para a data de início mais cedo de uma atividade do cronograma sem atrasar a data de término do projeto ou violar uma restrição do cronograma. É calculada através do método do caminho crítico e da determinação da diferença entre as datas de término mais cedo e as datas de término mais tarde.

Fornecedor

Um provedor ou fornecedor de produtos, serviços ou resultados para uma organização.

Função

Uma função definida a ser realizada por um membro da equipe do projeto, como teste, arquivamento, inspeção, codificação.

Fundos

Uma provisão de dinheiro ou recursos pecuniários imediatamente disponíveis.

Gatilhos

Indicações de que um risco ocorreu ou está para ocorrer. Os gatilhos podem ser descobertos no processo de identificação de riscos e observados no processo de monitoramento e controle de riscos. Os gatilhos às vezes são chamados de sintomas de risco ou sinais de alerta.

Gerenciamento da qualidade total (GQT)

Uma abordagem comum para a implementação de um programa de melhoria da qualidade em uma organização.

Gerenciamento de portfólios

O gerenciamento centralizado de um ou mais portfólios, que inclui identificação, priorização, autorização, gerenciamento e controle de projetos, programas e outros trabalhos relacionados, para atingir objetivos de negócios estratégicos.

Gerenciamento de programas

O gerenciamento centralizado coordenado de um programa para a realização de seus objetivos e benefícios estratégicos.

Gerenciamento de projetos (GP)

A aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto* a fim de atender aos seus requisitos.

Gerenciamento de valor agregado (GVA)

Uma metodologia de gerenciamento usada para integrar o escopo, o cronograma e os recursos e para medir objetivamente o desempenho e o progresso do projeto. Para medir o desempenho, o custo orçado do trabalho realizado (ou seja, o valor agregado) é determinado e comparado ao custo real do trabalho realizado (ou seja, o custo real). O progresso é medido pela comparação entre o valor agregado e o valor planejado.

Gerenciar a equipe do projeto

O processo de acompanhar o desempenho de membros da equipe, fornecer feedback, resolver problemas e coordenar mudanças para melhorar o desempenho do projeto.

Gerenciar as partes interessadas

O processo de gerenciamento das comunicações para satisfazer os requisitos das partes interessadas no projeto e resolver problemas com elas.

Gerente de projetos (GP)

A pessoa designada pela organização executora para atingir os objetivos do projeto*.

Gerente funcional

Alguém com autoridade de gerenciamento sobre uma unidade organizacional dentro de uma organização funcional. O gerente de qualquer grupo que realmente fabrique um produto ou realize um serviço. Às vezes chamado de gerente de linha.

Gráfico de barras ou Gráfico de Gantt

Uma representação gráfica de informações relacionadas ao cronograma. Em um gráfico de barras típico, as atividades do cronograma ou os componentes da estrutura analítica do projeto são listados verticalmente no lado esquerdo do gráfico, as datas são mostradas horizontalmente na parte superior e as durações das atividades são exibidas como barras horizontais posicionadas de acordo com as datas. Também chamado de Gráfico de Gantt.

Gráfico de controle

Uma representação gráfica dos dados do processo ao longo do tempo e em relação aos limites de controle estabelecidos e que possui uma linha central que ajuda a detectar uma tendência dos valores traçados na direção de um dos limites de controle.

Grau

Categoria ou classificação utilizada para diferenciar itens que possuem a mesma utilidade funcional (por exemplo, “martelo”), mas que não têm os mesmos requisitos de qualidade (por exemplo, podem ser necessários tipos diferentes de martelos para resistir a diferentes graus de força).

Grupo de processos de gerenciamento de projetos

Um agrupamento lógico dos processos de gerenciamento de projetos descritos no Guia do PMBOK®. Os grupos de processos de gerenciamento de projetos incluem processos de iniciação, processos de planejamento, processos de execução, processos de monitoramento e controle e processos de encerramento. Em conjunto, esses cinco grupos são necessários para qualquer projeto, possuem claras dependências internas e devem ser realizados na mesma seqüência em cada projeto, independentemente da área de aplicação ou das especificações do ciclo de vida do projeto aplicado. Os grupos de processos de gerenciamento de projetos não são fases do projeto.

Grupos de processos do projeto

Os cinco grupos de processos necessários para qualquer projeto que possuem dependências claras e que devem ser realizados na mesma seqüência em cada projeto, independentemente da área de aplicação ou das especificações do ciclo de vida do projeto aplicado. Os grupos de processos são: iniciação, planejamento, execução, monitoramento e controle, e encerramento.

Habilidade

Capacidade de usar o conhecimento, uma aptidão desenvolvida e/ou uma capacidade de executar ou realizar uma atividade de modo eficaz e rápido.

Histograma de recursos

Um gráfico de barras que representa o tempo em que um recurso é agendado para funcionar por uma série de períodos de tempo. A disponibilidade do recurso pode ser representada como uma linha para fins de comparação. Barras contrastantes podem demonstrar quantidades reais de recursos usados conforme o projeto se desenvolve.

Identificação de riscos

O processo de determinação dos riscos que podem afetar o projeto e de documentação de suas características.

Identificador da atividade

Uma identificação numérica ou de texto curta e exclusiva atribuída a cada atividade do cronograma para diferenciar essa atividade do projeto* de outras atividades. Normalmente exclusivo dentro de um diagrama de rede do cronograma do projeto.

Índice de desempenho de custos (IDC)

Uma medida da eficiência de custos em um projeto. É a relação entre o valor agregado (VA) e os custos reais (CR). IDC = VA dividido por CR. Um valor maior ou igual a um indica uma condição favorável e um valor menor que um indica uma condição desfavorável.

Índice de desempenho de prazos (IDP)

Uma medida da eficiência do cronograma em um projeto. É a relação entre o valor agregado (VA) e o valor planejado (VP). O IDP é calculado dividindo-se o VA pelo VP. Um IDP maior ou igual a um indica uma condição favorável e um valor menor que um indica uma condição desfavorável.

Influenciador

Pessoas ou grupos que não estão diretamente relacionados à aquisição ou ao uso do produto do projeto, mas que, devido à sua posição na organização do cliente*, podem influenciar, positiva ou negativamente, no andamento do projeto.

Informações históricas

Documentos e dados sobre projetos anteriores que incluem arquivos de projetos, registros, correspondências, contratos encerrados e projetos encerrados.

Informações sobre o desempenho do trabalho

Informações e dados sobre o andamento das atividades do cronograma do projeto que estão sendo realizadas para executar o trabalho do projeto coletados como parte dos processos de orientar e gerenciar a execução do projeto*. As informações incluem: situação das entregas, andamento da implementação de solicitações de mudança, ações corretivas, ações preventivas e reparos de defeitos, previsão de estimativas para terminar, percentual relatado de trabalho fisicamente terminado, valor atingido de medições do desempenho técnico, datas de início e de término de atividades do cronograma.

Iniciação do projeto

Lançamento de um processo que pode resultar na autorização e na definição do escopo de um novo projeto.

Iniciador

Uma pessoa ou organização que possui a capacidade e a autoridade para iniciar um projeto.

Início para início (II)

O relacionamento lógico em que a iniciação do trabalho da atividade sucessora do cronograma depende da iniciação do trabalho da atividade predecessora do cronograma.

Início para término (IT)

O relacionamento lógico em que o término da atividade sucessora do cronograma depende da iniciação da atividade predecessora do cronograma.

Inspeção

Exame ou medida para verificar se uma atividade, componente, produto, resultado ou serviço está de acordo com os requisitos especificados.

Integrado

Componentes inter-relacionados, interconectados, intertravados ou coordenados que são combinados e unificados para formar um todo funcional ou unificado.

Integral

Essencial para a totalidade; requisito; constituinte com; formado como uma unidade com outro componente.

Lições aprendidas

A aprendizagem obtida no processo de realização do projeto. As lições aprendidas podem ser identificadas a qualquer momento. Também consideradas um registro do projeto, que será incluído na base de conhecimento de lições aprendidas.

Limite

Um valor de custo, de tempo, de qualidade, técnico ou de recurso usado como parâmetro e que pode ser incluído nas especificações do produto. Ultrapassar o limite deve provocar alguma ação, como a geração de um relatório de exceções.

Limites de controle

A área composta de três desvios padrão em ambos os lados da linha central, ou média, de uma distribuição normal de dados traçados em um gráfico de controle que reflete a variação esperada nos dados.

Limites de especificação

A área em ambos os lados da linha central, ou média, de dados traçados em um gráfico de controle que atende aos requisitos do cliente para um produto ou serviço. Essa área pode ser maior ou menor que a área definida pelos limites de controle.

Linha de base

O plano dividido em fases aprovado (para um projeto, um componente da estrutura analítica do projeto, um pacote de trabalho ou uma atividade do cronograma), mais ou menos o escopo do projeto, o custo, o cronograma e as mudanças técnicas aprovados. Em geral, refere-se à linha de base atual, mas pode se referir à original ou a alguma outra linha de base. Normalmente usada com um modificador (por exemplo, linha de base dos custos, do cronograma, da medição de desempenho, técnica).

Linha de base da medição de desempenho

Um plano aprovado para o trabalho do projeto em relação ao qual é comparada a execução do projeto e são medidos os desvios para o controle do gerenciamento. A linha de base da medição de desempenho normalmente integra parâmetros de escopo, cronograma e custo de um projeto, mas também pode incluir parâmetros técnicos e de qualidade.

Lista da equipe do projeto

Uma lista documentada dos membros da equipe do projeto, suas funções no projeto e informações de comunicação.

Lista de atividades

Uma tabela documentada de atividades do cronograma que mostra a descrição da atividade, o identificador da atividade e uma descrição suficientemente detalhada do escopo do trabalho para que os membros da equipe do projeto compreendam que trabalho deverá ser realizado.

Lista de preço de materiais (LPM)

Uma tabela hierárquica formal documentada das montagens, submontagens e componentes físicos necessários para fabricar um produto.

Lista de verificação

Itens listados juntos para facilitar a comparação ou para garantir que ações associadas a eles sejam gerenciadas adequadamente e não sejam esquecidas. Um exemplo é uma lista de itens a serem examinados criada durante o planejamento da qualidade e aplicada durante o controle da qualidade.

Lógica de rede

O conjunto de dependências de atividades do cronograma que compõe um diagrama de rede do cronograma do projeto.

Loop de rede

Um caminho de rede do cronograma que passa duas vezes pelo mesmo nó. Os loops (ciclos) de rede não podem ser analisados com técnicas tradicionais de análise de rede do cronograma como o método do caminho crítico.

Marco

Um ponto ou evento significativo no projeto.

Marco do cronograma

Um evento significativo no cronograma do projeto, como um evento que limita o trabalho futuro ou que termina uma entrega importante. Um marco do cronograma possui duração nula. Às vezes chamado de atividade-marco.

Material

O conjunto de objetos usados por uma organização em qualquer empreendimento, como equipamentos, dispositivos, ferramentas, máquinas, aparelhos, materiais e suprimentos.

Matriz de probabilidade e impacto

Uma forma comum de determinar se um risco é considerado baixo, moderado ou alto através da combinação das duas dimensões de um risco: sua probabilidade de ocorrência e seu impacto nos objetivos, caso ocorra.

Matriz de responsabilidades (MR)

Uma estrutura que relaciona o organograma do projeto com a estrutura analítica do projeto para ajudar a garantir que cada componente do escopo de trabalho do projeto seja atribuído a uma pessoa responsável.

Medição de desempenho técnico

Uma técnica de medição de desempenho que compara as realizações técnicas durante a execução do projeto com o cronograma de realizações técnicas planejadas do plano de gerenciamento do projeto. Ela pode usar parâmetros técnicos importantes do produto produzido pelo projeto como uma métrica de qualidade. Os valores medidos obtidos fazem parte das informações sobre o desempenho do trabalho.

Membros da equipe do projeto

As pessoas que se reportam direta ou indiretamente ao gerente de projetos e que são responsáveis pela realização do trabalho do projeto como parte normal das tarefas que lhes foram atribuídas.

Método da corrente crítica (MCC)

Uma técnica de análise de rede do cronograma* que modifica o cronograma do projeto para que leve em conta recursos limitados. O método da cadeia crítica mistura abordagens determinísticas e probabilísticas da análise de rede do cronograma.

Método do caminho crítico (CPM)

Uma técnica de análise de rede do cronograma* usada para determinar a flexibilidade na elaboração de cronogramas (a quantidade de folga) nos diversos caminhos lógicos de rede na rede do cronograma do projeto e para determinar a duração mínima total do projeto. As datas de início e de término mais cedo* são calculadas através de um caminho de ida, usando uma data de início especificada. As datas de início e de término mais tarde* são calculadas através de um caminho de volta, começando de uma data de término especificada, que ocasionalmente é a data de término mais cedo do projeto determinada durante o cálculo do caminho de ida.

Método do diagrama de precedência (MDP)

Uma técnica de diagramação de rede do cronograma onde as atividades do cronograma são representadas por caixas (ou nós). As atividades do cronograma são graficamente ligadas por um ou mais relacionamentos lógicos para demonstrar a seqüência em que as atividades devem ser realizadas.

Método do diagrama de setas (MDS)

Uma técnica de diagramação de rede do cronograma onde as atividades do cronograma são representadas por setas. A extremidade final da seta representa o início, e a cabeça representa o término da atividade do cronograma. (O comprimento da seta não representa a duração prevista da atividade do cronograma.) As atividades do cronograma são conectadas em pontos chamados de nós (normalmente representados por pequenos círculos) para ilustrar a seqüência prevista para a realização das atividades do cronograma.

Metodologia

Um sistema de práticas, técnicas, procedimentos e regras usado pelas pessoas que trabalham em uma disciplina.

Mitigação de riscos

Uma técnica de planejamento de respostas a riscos* associada às ameaças que busca reduzir a probabilidade de ocorrência ou o impacto de um risco a um nível abaixo do limite aceitável.

Modelo

Um documento parcialmente completo em um formato predefinido que fornece uma estrutura definida para coletar, organizar e apresentar informações e dados. Os modelos geralmente se baseiam em documentos criados durante projetos anteriores. Os modelos podem reduzir o esforço necessário para realizar um trabalho e aumentar a consistência dos resultados.

Modelo de cronograma

Um modelo usado junto com métodos manuais ou software de gerenciamento de projetos para realizar uma análise de rede do cronograma a fim de gerar o cronograma do projeto, que será usado no gerenciamento da execução de um projeto.

Monitoramento e controle de riscos

O processo de acompanhamento dos riscos identificados, monitoramento dos riscos residuais, identificação de novos riscos, execução de planos de respostas a riscos e avaliação de sua eficiência durante todo o ciclo de vida do projeto.

Módulo Projetos

A solução foi idealizada para melhorar a comunicação entre todos os stakeholders, possibilitando que os projetos sejam acompanhados de forma simples e intuitiva pelos integrantes de equipe, gerentes, clientes e diretores da organização, a qualquer tempo e em qualquer lugar, além da possibilidade de aplicação de métodos alternativos de gerenciamento, como por exemplo, gestão ágil de projetos.

Módulo Portfólios

O Módulo de Portfólios do Brisk PPM foi desenvolvido para auxiliar os executivos para que estes problemas sejam minimizados. Totalmente baseado nos padrões definidos pelo PMI para gestão de portfólios, a solução contempla todo processo de alinhamento e monitoramento de forma objetiva. O fluxo é suportado por um poderoso Workflow com formulários dinâmicos, dando total autonomia à instituição para adequar o processo às suas reais necessidades.

Monitorar

Coletar dados de desempenho do projeto referentes a um plano, produzir medições do desempenho e relatar e divulgar informações sobre o desempenho.

Monitorar e controlar o trabalho do projeto

O processo de monitoramento e controle dos processos necessários para iniciar, planejar, executar e encerrar um projeto para atender aos objetivos de desempenho definidos no plano de gerenciamento do projeto e na declaração do escopo do projeto.

Mudança solicitada

Uma solicitação de mudança formalmente documentada submetida a aprovação para o processo de controle integrado de mudanças. Compare com solicitação de mudança aprovada.

Mudanças do escopo

Qualquer mudança no escopo do projeto. Uma mudança do escopo quase sempre exige um ajuste nos custos ou no cronograma do projeto.

Networking

Desenvolvimento de relações com pessoas que podem ser capazes de ajudar na realização dos objetivos e responsabilidades.

Nível de esforço (NDE)

Atividade auxiliar (por exemplo, contato com fornecedor ou cliente, contabilidade de custos do projeto, gerenciamento de projetos, etc.) que não se presta prontamente à medição de realizações distintas. É geralmente caracterizado por um ritmo uniforme de desempenho do trabalho durante um período de tempo determinado pelas atividades suportadas.

Nivelamento de recursos

Qualquer forma de análise de rede do cronograma na qual as decisões de elaboração de cronograma (datas de início e término) se baseiam em restrições de recursos (por exemplo, disponibilidade limitada de recursos ou mudanças de difícil administração nos níveis de disponibilidade de recursos).

Um dos pontos que definem uma rede de cronograma; um ponto de junção unido a algumas ou a todas as outras linhas de dependência. Veja também método do diagrama de setas e método do diagrama de precedência.

Norma

Um documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece, para uso comum e repetido, regras, diretrizes ou características para atividades ou seus resultados, visando à obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto.

Objetivo

Algo em cuja direção o trabalho deve ser orientado, uma posição estratégica a ser alcançada ou um objetivo a ser atingido, um resultado a ser obtido, um produto a ser produzido ou um serviço a ser realizado.

Operações

Uma função organizacional que realiza a execução contínua de atividades que produzem o mesmo produto ou fornecem um serviço repetitivo. Exemplos: operações de produção, operações de fabricação e operações de contabilidade.

Opinião especializada

Opinião fornecida com base em especialização em uma área de aplicação, área de conhecimento, disciplina, setor, etc. conforme adequado para a atividade que está sendo realizada. Essa especialização pode ser oferecida por qualquer grupo ou pessoa com formação, conhecimento, habilidade, experiência ou treinamento especializado e está disponível a partir de diversas fontes, inclusive: outras unidades dentro da organização executora, consultores, partes interessadas, inclusive clientes, associações profissionais e técnicas, e setores.

Oportunidade

Uma condição ou situação favorável para o projeto, um conjunto positivo de circunstâncias, um conjunto positivo de eventos, um risco que terá impacto positivo nos objetivos do projeto ou uma possibilidade de mudanças positivas. Compare com ameaça.

Orçamentação

O processo de agregação dos custos estimados de atividades individuais ou pacotes de trabalho para estabelecer uma linha de base dos custos.

Orçamento

A estimativa aprovada para o projeto ou qualquer componente da estrutura analítica do projeto ou atividade do cronograma.

Orçamento no término (ONT)

A soma de todos os valores de orçamento estabelecidos para o trabalho a ser realizado em um projeto, componente da estrutura analítica do projeto ou atividade do cronograma. O valor planejado total do projeto.

Organização

Um grupo de pessoas organizadas para algum objetivo ou para realizar algum tipo de trabalho dentro de uma empresa.

Organização executora

A empresa cujos funcionários estão mais diretamente envolvidos na execução do trabalho do projeto.

Organização funcional

Uma organização hierárquica em que cada funcionário tem um superior bem definido; os funcionários são agrupados por áreas de especialização e gerenciados por uma pessoa especializada nessa área.

Organização matricial

Qualquer estrutura organizacional na qual o gerente de projetos divide as responsabilidades com os gerentes funcionais para atribuição de prioridades e orientação do trabalho das pessoas designadas para o projeto.

Organização por projeto

Qualquer estrutura organizacional na qual o gerente de projetos possui autoridade total para atribuir prioridades, aplicar recursos e orientar o trabalho das pessoas designadas para o projeto.

Organograma (ORG)

Uma descrição hierarquicamente organizada da organização do projeto disposta de forma a relacionar os pacotes de trabalho com as unidades organizacionais executoras. (Às vezes, o ORG é escrito como Estrutura analítica da organização, com a mesma definição.)

Organograma

Um método para representar inter-relacionamentos entre um grupo de pessoas que trabalham juntas para um objetivo comum.

Organograma do projeto

Um documento que representa graficamente os membros da equipe do projeto e seus inter-relacionamentos para um projeto específico.

Orientar e gerenciar a execução do projeto

O processo de execução do trabalho definido no plano de gerenciamento do projeto para atingir os requisitos do projeto definidos na declaração do escopo do projeto.

Pacote de planejamento

Um componente da EAP abaixo da conta de controle com conteúdo de trabalho conhecido, mas sem atividades do cronograma detalhadas.

Pacote de trabalho

Uma entrega ou componente do trabalho do projeto no nível mais baixo de cada ramo da estrutura analítica do projeto. O pacote de trabalho inclui as atividades do cronograma e os marcos do cronograma necessários para terminar a entrega do pacote de trabalho ou o componente do trabalho do projeto.

Paralelismo

Uma técnica de compressão do cronograma de um projeto específico que altera a lógica de rede para sobrepor fases que normalmente seriam realizadas em seqüência, como a fase de projeto e a fase de construção, ou para realizar atividades do cronograma em paralelo.

Partes interessadas

Pessoas e organizações, como clientes, patrocinadores, organizações executoras e o público, que estejam ativamente envolvidas no projeto ou cujos interesses possam ser afetados de forma positiva ou negativa pela execução ou término do projeto. Elas podem também exercer influência sobre o projeto e suas entregas.

Patrocinador

A pessoa ou o grupo que fornece os recursos financeiros, em dinheiro ou em espécie, para o projeto.

Percentual completo (PC ou PCT)

Uma estimativa, expressa como percentual, da quantidade de trabalho terminado em uma atividade ou um componente da estrutura analítica do projeto.

Planejamento da qualidade

O processo de identificação dos padrões de qualidade relevantes para o projeto e de determinação de como satisfazê-los.

Planejamento das comunicações

O processo de determinação das necessidades de informação e de comunicação das partes interessadas no projeto: quem são, qual é seu nível de interesse e influência no projeto, quem precisa de qual informação, quando ela será necessária e como ela será fornecida.

Planejamento de recursos humanos

O processo de identificação e documentação de funções, responsabilidades e relações hierárquicas do projeto, além da criação do plano de gerenciamento de pessoal.

Planejamento de respostas a riscos

O processo de desenvolvimento de opções e ações para aumentar as oportunidades e reduzir as ameaças aos objetivos do projeto.

Planejamento do escopo

O processo de criação de um plano de gerenciamento do escopo do projeto.

Planejamento do gerenciamento de riscos

O processo de decisão de como abordar, planejar e executar as atividades de gerenciamento de riscos de um projeto.

Planejamento em ondas sucessivas

Uma forma de planejamento de elaboração progressiva em que o trabalho que será realizado a curto prazo é planejado em detalhes em um nível baixo da estrutura analítica do projeto, enquanto o trabalho distante no futuro é planejado em um nível relativamente alto da estrutura analítica do projeto. Porém, o planejamento detalhado do trabalho a ser realizado dentro de mais um ou dois períodos no futuro próximo é feito conforme o trabalho está sendo terminado durante o período atual.

Planejar compras e aquisições

O processo de determinação do que comprar ou adquirir e de quando e como fazer isso.

Planejar contratações

O processo de documentação dos requisitos de produtos, serviços e resultados e identificação de possíveis fornecedores.

Plano de contas

Qualquer sistema de numeração utilizado para monitorar os custos do projeto* por categoria (por exemplo, mão-de-obra, suprimentos, materiais e equipamentos). O plano de contas do projeto normalmente se baseia no plano de contas empresarial da organização executora principal. Compare com código de contas.

Plano de contas de controle (PCC)

Um plano para todo o trabalho e esforço a serem realizados em uma conta de controle. Cada PCC possui uma declaração do trabalho definitiva, um cronograma e um orçamento dividido em fases. Anteriormente denominado Plano de contas de custos.

Plano de gerenciamento da qualidade

O plano de gerenciamento da qualidade descreve como a equipe de gerenciamento de projetos implementará a política de qualidade da organização executora. O plano de gerenciamento da qualidade faz parte ou é um plano auxiliar do plano de gerenciamento do projeto. O plano de gerenciamento da qualidade pode ser formal ou informal, bem detalhado ou genérico, dependendo dos requisitos do projeto.

Plano de gerenciamento das comunicações

O documento que descreve: as necessidades de comunicação e as expectativas para o projeto, como e em que formato as informações serão comunicadas, quando e onde será feita cada comunicação e quem é responsável pelo fornecimento de cada tipo de comunicação. Um plano de gerenciamento das comunicações pode ser formal ou informal, bem detalhado ou genérico, dependendo das necessidades das partes interessadas no projeto. O plano de gerenciamento das comunicações faz parte ou é um plano auxiliar do plano de gerenciamento do projeto.

Plano de gerenciamento de aquisições

O documento que descreve como serão gerenciados os processos de aquisição, desde o desenvolvimento da documentação da aquisição até o encerramento do contrato.

Plano de gerenciamento de contratos

O documento que descreve como um contrato específico será administrado e pode incluir itens como entrega de documentação necessária e requisitos de desempenho. Um plano de gerenciamento de contratos pode ser formal ou informal, bem detalhado ou genérico, dependendo dos requisitos do contrato. Cada plano de gerenciamento de contratos é um plano auxiliar do plano de gerenciamento do projeto.

Plano de gerenciamento de custos

O documento que define o formato e estabelece as atividades e os critérios de planejamento, estruturação e controle dos custos do projeto. Um plano de gerenciamento de custos pode ser formal ou informal, bem detalhado ou genérico, dependendo das necessidades das partes interessadas no projeto. O plano de gerenciamento de custos faz parte ou é um plano auxiliar do plano de gerenciamento do projeto.

Plano de gerenciamento de pessoal

O documento que descreve quando e como os recursos humanos necessários serão atingidos. Ele faz parte ou é um plano auxiliar do plano de gerenciamento do projeto. O plano de gerenciamento de pessoal pode ser informal e genérico ou formal e bem detalhado, dependendo das necessidades do projeto. As informações no plano de gerenciamento de pessoal variam de acordo com a área de aplicação e o tamanho do projeto.

Plano de gerenciamento de riscos

O documento que descreve como o gerenciamento de riscos do projeto será estruturado e realizado no projeto. Ele faz parte ou é um plano auxiliar do plano de gerenciamento do projeto. O plano de gerenciamento de riscos pode ser informal e genérico ou formal e bem detalhado, dependendo das necessidades do projeto. As informações no plano de gerenciamento de riscos variam de acordo com a área de aplicação e o tamanho do projeto. O plano de gerenciamento de riscos é diferente do registro de riscos, que contém a lista de riscos do projeto, os resultados da análise de risco e as respostas a riscos.

Plano de gerenciamento do cronograma

O documento que estabelece os critérios e as atividades para o desenvolvimento e o controle do cronograma do projeto. Ele faz parte ou é um plano auxiliar do plano de gerenciamento do projeto. O plano de gerenciamento do cronograma pode ser formal ou informal, bem detalhado ou genérico, dependendo das necessidades do projeto.

Plano de gerenciamento do escopo do projeto

O documento que descreve como o escopo do projeto será definido, desenvolvido e verificado e como a estrutura analítica do projeto será criada e definida, e que fornece orientação sobre como o escopo do projeto será gerenciado e controlado pela equipe de gerenciamento de projetos. Ele faz parte ou é um plano auxiliar do plano de gerenciamento do projeto. O plano de gerenciamento do escopo do projeto pode ser informal e genérico ou formal e bem detalhado, dependendo das necessidades do projeto.

Plano de gerenciamento do projeto

Um documento formal e aprovado que define como o projeto é executado, monitorado e controlado. Ele pode ser resumido ou detalhado e pode ser formado por um ou mais planos de gerenciamento auxiliares e outros documentos de planejamento.

Portfólio

Um conjunto de projetos ou programas e outros trabalhos agrupados para facilitar o gerenciamento eficaz desse trabalho a fim de atender aos objetivos de negócios estratégicos. Os projetos ou programas do portfólio podem não ser necessariamente interdependentes ou diretamente relacionados.

Prática

Um tipo específico de atividade profissional ou de gerenciamento que contribui para a execução de um processo e que pode empregar uma ou mais técnicas e ferramentas.

Premissas

Premissas são fatores que, para fins de planejamento, são considerados verdadeiros, reais ou certos sem prova ou demonstração. As premissas afetam todos os aspectos do planejamento do projeto e fazem parte da elaboração progressiva do projeto. Freqüentemente, as equipes do projeto identificam, documentam e validam as premissas durante o processo de planejamento. Geralmente, as premissas envolvem um grau de risco.

Prevenção de riscos

Uma técnica de planejamento de respostas a riscos* para uma ameaça que cria mudanças no plano de gerenciamento do projeto destinadas a eliminar o risco ou proteger os objetivos do projeto de seu impacto. Em geral, a prevenção de riscos envolve o relaxamento dos objetivos de tempo, custo, escopo ou qualidade.

Previsões

Estimativas ou prognósticos de condições e eventos futuros do projeto com base nas informações e no conhecimento disponíveis no momento da previsão. As previsões são atualizadas e refeitas com base nas informações sobre o desempenho do trabalho fornecidas conforme o projeto é executado. As informações se baseiam no desempenho passado e no desempenho futuro esperado do projeto e incluem dados que poderiam afetar o projeto no futuro, como estimativa no término e estimativa para terminar.

Problema

Um ponto ou assunto em discussão ou em disputa ou um ponto ou assunto que não está resolvido e está sob discussão ou sobre o qual existem pontos de vista opostos ou desacordos.

Procedimento

Uma série de passos seguidos em uma ordem definitiva regular para realizar alguma coisa.

Procedimento documentado

Uma descrição por escrito formalizada de como deve ser executada uma atividade, um processo, uma técnica ou uma metodologia.

Processo

Um conjunto de ações e atividades inter-relacionadas realizadas para obter um conjunto especificado de produtos, resultados ou serviços.

Processo de área de conhecimento

Um processo de gerenciamento de projetos identificável dentro de uma área de conhecimento.

Processo de gerenciamento de projetos

Um dos 44 processos exclusivos do gerenciamento de projetos e descritos no Guia do PMBOK®.

Processos de encerramento

Os processos realizados para finalizar formalmente todas as atividades de um projeto ou fase e transferir o produto terminado para outros ou encerrar um projeto cancelado.

Processos de execução

Os processos realizados para terminar o trabalho definido no plano de gerenciamento do projeto para atingir os objetivos do projeto definidos na declaração do escopo do projeto.

Processos de iniciação

Os processos realizados para autorizar e definir o escopo de uma nova fase ou projeto ou que podem resultar na continuação de um trabalho de projeto interrompido. Em geral, é realizado um grande número de processos de iniciação fora do escopo de controle do projeto pelos processos de organização, programa ou portfólio, e esses processos fornecem as entradas para o grupo de processos de iniciação do projeto.

Processos de monitoramento e controle

Os processos realizados para medir e monitorar a execução do projeto* de modo que seja possível tomar ações corretivas quando necessário para controlar a execução da fase ou do projeto.

Processos de planejamento

Os processos realizados para definir e amadurecer o escopo do projeto, desenvolver o plano de gerenciamento do projeto e identificar e programar as atividades do projeto* que ocorrem dentro do projeto.

Produto

Um objeto produzido, quantificável e que pode ser um item final ou um item componente. Produtos também são chamados de materiais ou bens. Compare com resultado e serviço. Veja também entrega.

Profissional de gerenciamento de projetos (PMP®)

Uma pessoa que tenha recebido a certificação de PMP® do Project Management Institute (PMI®).

Programa

Um grupo de projetos relacionados gerenciados de modo coordenado para a obtenção de benefícios e controle que não estariam disponíveis se eles fossem gerenciados individualmente. Programas podem incluir elementos de trabalho relacionado fora do escopo dos projetos distintos no programa.

Projeto

Um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Qualidade

O grau com que um conjunto de características inerentes atende aos requisitos.

Realizar a garantia da qualidade

O processo de aplicação das atividades de qualidade planejadas e sistemáticas (como auditorias ou avaliações por pares) para garantir que o projeto emprega todos os processos necessários para atender aos requisitos.

Realizar o controle da qualidade (CQ)

O processo de monitoramento dos resultados específicos do projeto* a fim de determinar se eles estão de acordo com os padrões relevantes de qualidade e de identificação de maneiras de eliminar as causas de um desempenho insatisfatório.

Reclamação

Uma solicitação, exigência ou declaração de direitos feita por um fornecedor em relação a um comprador ou vice versa, para consideração, compensação ou pagamento sob os termos de um contrato legal, como no caso de uma mudança contestada.

Recurso

Recursos humanos especializados (disciplinas específicas individualmente ou em grupos ou equipes), equipamentos, serviços, suprimentos, commodities, materiais, orçamentos ou fundos.

Registro

Um documento usado para registrar e descrever ou indicar itens selecionados identificados durante a execução de um processo ou atividade. Geralmente usado com um modificador, como: problema, controle da qualidade, ação ou defeito.

Registro de riscos

O documento que contém os resultados da análise qualitativa de riscos, da análise quantitativa de riscos e do planejamento de respostas a riscos. O registro de riscos detalha todos os riscos identificados, incluindo descrição, categoria, causa, probabilidade de ocorrência, impacto(s) nos objetivos, respostas sugeridas, proprietários e andamento atual. O registro de riscos é um componente do plano de gerenciamento do projeto.

Regras básicas

Uma lista de comportamentos aceitáveis e inaceitáveis adotados por uma equipe do projeto para melhorar as relações, a eficácia e a comunicação no trabalho.

Regulamento

Requisitos impostos por um órgão governamental. Esses requisitos podem estabelecer características de um produto, processo ou serviço—inclusive cláusulas administrativas aplicáveis—que devem estar de acordo com a legislação governamental.

Relação de precedência

O termo utilizado no método do diagrama de precedência para um relacionamento lógico. No entanto, no uso atual, os termos relação de precedência, relacionamento lógico e dependência são amplamente utilizados de forma intercambiável, independentemente do método de diagramação empregado.

Relacionamento lógico

Uma dependência entre duas atividades do cronograma do projeto ou entre uma atividade do cronograma do projeto e um marco do cronograma. Veja também relação de precedência. Os quatro tipos possíveis de relacionamentos lógicos são: Término para início, Término para término, Início para início e Início para término.

Relatório de desempenho

O processo de coleta e distribuição de informações sobre o desempenho. Isso inclui relatório de andamento, medição do progresso e previsão.

Relatório de exceções

Documento que inclui apenas as principais variações do plano (não todas as variações).

Relatórios de desempenho

Documentos e apresentações que fornecem informações organizadas e resumidas sobre o desempenho do trabalho, cálculos e parâmetros de gerenciamento de valor agregado e análises de andamento e progresso do trabalho do projeto. Formatos comuns de relatórios de desempenho incluem gráficos de barras, curvas S, histogramas, tabelas e diagrama de rede do cronograma do projeto mostrando a situação atual do cronograma.

Reparo de defeito

Identificação formalmente documentada de um defeito em um componente do projeto com a recomendação para reparar o defeito ou substituir completamente o componente.

Requisito

Uma condição ou capacidade que deve ser atendida ou possuída por um sistema, produto, serviço, resultado ou componente para satisfazer um contrato, uma norma, uma especificação ou outros documentos impostos formalmente. Os requisitos incluem necessidades, desejos e expectativas quantificados e documentados do patrocinador, do cliente e de outras partes interessadas.

Reserva

Uma cláusula no plano de gerenciamento do projeto para mitigar os riscos de custos e/ou de cronograma. Muitas vezes usada com um modificador (por exemplo, reserva de gerenciamento, reserva para contingências) para fornecer mais detalhes sobre que tipos de risco devem ser mitigados. O significado específico do termo modificado varia de acordo com a área de aplicação.

Reserva para contingências

Os fundos, o orçamento ou o tempo necessário, além da estimativa, para reduzir o risco de ultrapassar os objetivos do projeto a um nível aceitável para a organização.

Restrição

O estado, a qualidade ou o sentido de estar restrito a uma determinada ação ou inatividade. Uma restrição ou limitação aplicável, interna ou externa ao projeto, que afetará o desempenho do projeto ou de um processo. Por exemplo, uma restrição do cronograma é qualquer limitação ou condição colocada em relação ao cronograma do projeto que afeta o momento em que uma atividade do cronograma pode ser agendada e geralmente está na forma de datas impostas fixas. Uma restrição de custos é qualquer limitação ou condição colocada em relação ao orçamento do projeto, como fundos disponíveis ao longo do tempo. Uma restrição de recursos do projeto é qualquer limitação ou condição colocada em relação à utilização de recursos, como quais habilidades ou disciplinas do recurso estão disponíveis e a quantidade disponível de um determinado recurso durante um prazo especificado.

Restrição tripla

Uma estrutura para a avaliação de demandas conflitantes. A restrição tripla é freqüentemente representada como um triângulo em que um dos lados ou um dos cantos representa um dos parâmetros que está sendo gerenciado pela equipe do projeto.

Resultado

Uma saída dos processos e atividades de gerenciamento de projetos. Os resultados podem incluir efeitos (por exemplo, sistemas integrados, processo revisado, organização reestruturada, testes, pessoal treinado, etc.) e documentos (por exemplo, políticas, planos, estudos, procedimentos, especificações, relatórios, etc.). Compare com produto e serviço.

Retenção

Uma parte do pagamento do contrato que é mantida até seu término para garantir o pleno cumprimento dos termos contratuais.

Retrabalho

Ação tomada para fazer com que um componente imperfeito ou fora das especificações fique em conformidade com os requisitos ou especificações.

Revisão de projeto

Uma técnica de gerenciamento usada para a avaliação de um projeto proposto para garantir que o projeto do sistema ou produto atende aos requisitos do cliente ou que será realizado com sucesso e poderá ser produzido e mantido.

Risco

Um evento ou condição incerta que, se ocorrer, provocará um efeito positivo ou negativo nos objetivos de um projeto. Veja também categoria de risco e estrutura analítica dos riscos.

Risco residual

Um risco que continua após as respostas a riscos terem sido implementadas.

Risco secundário

Um risco que surge como resultado direto da implementação de uma resposta a riscos.

Saídas

Um produto, resultado ou serviço gerado por um processo. Pode ser um dado necessário para um processo sucessor.

Sala de comando

Uma sala usada para conferências e planejamento do projeto, onde geralmente são exibidos gráficos de custos, andamento do cronograma, e outros dados importantes do projeto.

Selecionar fornecedores

O processo de revisão de ofertas, escolha entre possíveis fornecedores e negociação de um contrato por escrito com um fornecedor.

Seqüenciamento de atividades

O processo de identificação e documentação das dependências entre as atividades do cronograma.

Serviço

Trabalho útil realizado que não produz um produto ou resultado tangível, como a realização de uma das funções de negócios que dão suporte à produção ou à distribuição. Compare com produto e resultado.

Seta

A representação gráfica de uma atividade do cronograma no método do diagrama de setas ou um relacionamento lógico entre as atividades do cronograma no método do diagrama de precedência.

Simulação

Uma simulação utiliza um modelo de projeto que representa as incertezas especificadas de maneira detalhada em relação a seu possível impacto nos objetivos expressos no nível do projeto como um todo. As simulações de projetos usam modelos computacionais e estimativas de risco, geralmente expressas como uma distribuição de probabilidade dos possíveis custos ou durações em um nível de trabalho detalhado, e são normalmente realizadas utilizando a Simulação de Monte Carlo.

Simulação de Monte Carlo

Uma técnica que calcula por meio de iterações o custo do projeto ou o cronograma do projeto várias vezes usando valores de entrada selecionados aleatoriamente a partir de distribuições de probabilidade dos possíveis custos ou durações para calcular uma distribuição do custo total possível do projeto ou de datas de término.

Sistema

Um conjunto integrado de componentes regularmente inter-relacionados e interdependentes criados para realizar um objetivo definido, com relações definidas e mantidas entre seus componentes e cuja produção e operação como um todo é melhor que a simples soma de seus componentes. Os sistemas podem ser fisicamente baseados em processos ou baseados em processos de gerenciamento ou, mais freqüentemente, uma combinação dos dois. Os sistemas de gerenciamento de projetos são formados por processos de gerenciamento de projetos, técnicas, metodologias e ferramentas operadas pela equipe de gerenciamento de projetos.

Sistema de autorização do trabalho

Um subsistema do sistema de gerenciamento de projetos global. É um conjunto de procedimentos formais documentados que define como o trabalho do projeto será autorizado (inserido) para garantir que o trabalho será realizado pela organização identificada, no momento certo e na seqüência adequada. Ele inclui os passos, os documentos, o sistema de acompanhamento e os níveis de aprovação definidos necessários para a emissão de autorizações de trabalho.

Sistema de controle de mudanças

Um conjunto de procedimentos formais e documentados que define como as entregas e a documentação do projeto serão controladas, alteradas e aprovadas. Na maior parte das áreas de aplicação, o sistema de controle de mudanças é um subconjunto do sistema de gerenciamento de configuração.

Sistema de gerenciamento de configuração

Um subsistema do sistema de gerenciamento de projetos global. É um conjunto de procedimentos formais documentados usados para aplicar orientação e supervisão técnicas e administrativas para: identificar e documentar as características funcionais e físicas de um produto, resultado, serviço ou componente, controlar quaisquer mudanças feitas nessas características, registrar e relatar cada mudança e o andamento de sua implementação e dar suporte à auditoria dos produtos, resultados ou componentes para verificar a conformidade com os requisitos. Ele inclui a documentação, os sistemas de acompanhamento e os níveis de aprovação definidos necessários para autorização e controle das mudanças. Na maior parte das áreas de aplicação, o sistema de gerenciamento de configuração inclui o sistema de controle de mudanças.

Sistema de gerenciamento de projetos

A agregação dos processos, ferramentas, técnicas, metodologias, recursos e procedimentos para o gerenciamento de um projeto. O sistema é documentado no plano de gerenciamento do projeto e seu conteúdo irá variar dependendo da área de aplicação, influência organizacional, complexidade do projeto e disponibilidade dos sistemas existentes. Um sistema de gerenciamento de projetos, que pode ser formal ou informal, ajuda o gerente de projetos a conduzir um projeto ao seu término de modo eficaz. Um sistema de gerenciamento de projetos é um conjunto de processos e funções de monitoramento e controle relacionadas que são consolidados e combinados para formar um todo funcional e unificado.

Sistema de informações do gerenciamento de projetos (SIGP)

Um sistema de informações que consiste de ferramentas e técnicas usadas para reunir, integrar e disseminar as saídas dos processos de gerenciamento de projetos. Ele é usado para dar suporte a todos os aspectos do projeto, da iniciação ao encerramento, e pode incluir sistemas manuais e automatizados.

Software de gerenciamento de projetos

Tipo de aplicativos de software especificamente projetados para auxiliar a equipe de gerenciamento de projetos no planejamento, monitoramento e controle do projeto, inclusive: estimativa de custos, elaboração de cronogramas, comunicação, colaboração, gerenciamento de configuração, controle de documentos, gerenciamento de registros e análise de risco.

Solicitação de cotação

Um tipo de documento de aquisição usado para solicitar cotações de preços de produtos ou serviços comuns ou padrão de possíveis fornecedores. Às vezes é usado no lugar de solicitação de proposta e, em algumas áreas de aplicação, pode ter um significado mais restrito ou mais específico.

Solicitação de informações

Um tipo de documento de aquisição pelo qual o comprador solicita a um possível fornecedor que forneça várias informações relacionadas a um produto, serviço ou capacidade do fornecedor.

Solicitação de mudança

Solicitações para aumentar ou reduzir o escopo do projeto, modificar políticas, processos, planos ou procedimentos, modificar custos ou orçamentos ou revisar cronogramas. As solicitações de mudança podem ser feitas de forma direta ou indireta, por iniciativa externa ou interna e impostas por lei ou contrato ou opcionais. Somente as mudanças solicitadas formalmente documentadas são processadas e somente as solicitações de mudança aprovadas são implementadas.

Solicitação de mudança aprovada

Uma solicitação de mudança que foi processada através do processo de controle integrado de mudanças e aprovada. Compare com mudança solicitada.

Solicitação de proposta (SDP)

Um tipo de documento de aquisição usado para solicitar propostas de produtos ou serviços de possíveis fornecedores. Em algumas áreas de aplicação, pode ter um significado mais restrito ou mais específico.

Solicitar respostas de fornecedores

O processo de obtenção de informações, cotações, licitações, ofertas ou propostas, conforme apropriado.

Solução alternativa

Resposta a um risco negativo que ocorreu. Diferentemente do plano de contingência, uma solução alternativa não é planejada antecipando-se à ocorrência do evento de risco.

Subfase

Uma subdivisão de uma fase.

Subprojeto

Uma parte menor do projeto total, criada quando um projeto é subdividido em componentes ou partes mais facilmente gerenciáveis. Os subprojetos são geralmente representados na estrutura analítica do projeto. Um subprojeto pode ser chamado de projeto, gerenciado como um projeto e adquirido de um fornecedor. Pode ser chamado de sub-rede em um diagrama de rede do cronograma do projeto.

Sub-rede

Uma subdivisão (fragmento) de um diagrama de rede do cronograma do projeto, normalmente representando um subprojeto ou um pacote de trabalho. É usada com freqüência para ilustrar ou estudar alguma condição possível ou proposta do cronograma, como mudanças na lógica do cronograma ou no escopo do projeto preferenciais.

Tarefa

Um termo usado para trabalho cujo significado e colocação dentro de um plano estruturado de um trabalho do projeto variam de acordo com a área de aplicação, setor e marca do software de gerenciamento de projetos.

Técnica

Um procedimento sistemático definido usado por um recurso humano para realizar uma atividade a fim de produzir um produto ou resultado ou oferecer um serviço, e que pode empregar uma ou mais ferramentas.

Técnica Delphi

Uma técnica de coleta de informações utilizada como meio de alcançar um consenso de especialistas em um assunto. Nesta técnica, os especialistas no assunto participam anonimamente. Um facilitador usa um questionário para solicitar idéias sobre os pontos importantes do projeto relacionados ao assunto. As respostas são resumidas e então redistribuídas para os especialistas para comentários adicionais. O consenso pode ser alcançado após algumas rodadas desse processo. A técnica Delphi ajuda a reduzir a parcialidade nos dados e evita que alguém possa indevidamente influenciar o resultado.

Técnica do valor agregado (TVA)

Uma técnica específica para a medição de desempenho do trabalho para um componente da estrutura analítica do projeto, uma conta de controle ou um projeto. Também chamada de método de creditação e regras de realização do trabalho.

Terminação aberta na rede

Uma atividade do cronograma sem quaisquer atividades predecessoras ou atividades sucessoras que cria uma interrupção involuntária em um caminho de rede do cronograma. Terminações abertas na rede são normalmente causadas pela falta de relacionamentos lógicos.

Término para início (TI)

O relacionamento lógico em que a iniciação do trabalho da atividade sucessora depende do término do trabalho da atividade predecessora.

Término para término (TT)

O relacionamento lógico em que o término do trabalho da atividade sucessora não pode terminar até o término do trabalho da atividade predecessora.

Termo de abertura do projeto

Um documento publicado pelo iniciador ou patrocinador do projeto que autoriza formalmente a existência de um projeto e concede ao gerente de projetos a autoridade para aplicar os recursos organizacionais nas atividades do projeto.

Trabalho

Esforço, empenho ou exercício físico ou mental sustentado de habilidade para superar obstáculos e atingir um objetivo.

Transferência de riscos

Uma técnica de planejamento de respostas a riscos* que transfere o impacto de uma ameaça para terceiros juntamente com a propriedade da resposta.

Unidade de calendário

A menor unidade de tempo utilizada na elaboração de cronogramas do projeto. Geralmente, as unidades de calendário são expressas em horas, dias ou semanas, mas podem ser expressas também em trimestres, meses, turnos ou até mesmo em minutos.

Usuário

A pessoa ou organização que utilizará o produto ou serviço do projeto.

Validação

A técnica de avaliação de um componente ou produto durante ou no final de uma fase ou projeto para garantir que está de acordo com os requisitos especificados. Compare com verificação.

Valor agregado (VA)

O valor do trabalho terminado expresso em termos do orçamento aprovado atribuído a esse trabalho para uma atividade do cronograma ou componente da estrutura analítica do projeto. Também chamado de custo orçado do trabalho realizado (COTR).

Valor planejado (VP)

O orçamento autorizado atribuído ao trabalho agendado que será realizado para a atividade do cronograma ou componente da estrutura analítica do projeto. Também chamado de custo orçado do trabalho agendado (COTA).

Variação

Um desvio, um afastamento ou uma divergência quantificável em relação a uma linha de base conhecida ou a um valor esperado.

Variação de custos (VC)

Uma medida do desempenho de custos em um projeto. É a diferença algébrica entre o valor agregado (VA) e o custo real (CR). VC = VA menos CR. Um valor positivo indica uma condição favorável e um valor negativo indica uma condição desfavorável.

Variação de prazos (VP)

Uma medida do desempenho de prazos em um projeto. É a diferença algébrica entre o valor agregado (VA) e o valor planejado (VP). VP = VA menos VP.

Verificação

A técnica de avaliação de um componente ou produto no final de uma fase ou projeto para garantir ou confirmar que satisfaz às condições impostas. Compare com validação.

Verificação do escopo

O processo de formalização da aceitação das entregas do projeto terminadas.

Voz do cliente

Uma técnica de planejamento usada para fornecer produtos, serviços e resultados que refletem verdadeiramente os requisitos do cliente, transformando esses requisitos do cliente em requisitos técnicos adequados para cada fase do desenvolvimento do produto do projeto.